Atividades colaborativas estimulam o aprendizado e o protagonismo do aluno

Debater, desenvolver o raciocínio crítico e participar ativamente do processo de construção do conhecimento. Essas são algumas das habilidades estimuladas nos projetos de aprendizagem colaborativa. “Os alunos assumem a responsabilidade pelo aprendizado dos outros alunos. Para conquistarem um bom resultado, precisam trabalhar e evoluir juntos”, afirma a supervisora pedagógica do Ensino Fundamental – Anos Finais, Carolina Darolt.

No último mês, os estudantes do Ensino Fundamental – Anos Finais tiveram a oportunidade de participar de dois projetos interdisciplinares que estimulam as atividades colaborativas: Expo-Brasil e Feira da Saúde.

Divididos em grupos, os alunos do 7º ano apresentaram a riqueza cultural, gastronômica e geográfica das regiões do país na Expo-Brasil. Os estudantes realizaram apresentações artísticas e culturais, mostra de artesanato e degustação de pratos típicos de Norte a Sul do país, proporcionando um encontro da cultura brasileira. A professora de Geografia Ranieire Gigante acredita que o projeto estimula o protagonismo do aluno. “Projetos como a Expo-Brasil ensina os estudantes a trabalharem em grupos, de modo que eles aprendem a ter mais responsabilidades e a delegar funções e se organizar dentro de um cronograma pré-estabelecido de trabalho”, afirma.

O projeto interdisciplinar, que envolve conhecimentos trabalhados nas aulas de Geografia, História e Artes, também estimula os alunos a pensarem sobre a qualidade de vida em cada região brasileira. “Os estudantes tiveram que pesquisar as principais dificuldades enfrentadas pela região que estavam trabalhando e propor uma solução prática para sanar o problema”, conta.

Já os alunos do 8º ano tiveram a oportunidade de colocar em prática, de forma colaborativa, os conteúdos estudados nas aulas de Ciências, Artes e Educação Tecnológica. Na Feira da Saúde, os jovens se reuniram em grupos para conscientizar os colegas sobre a importância de uma alimentação saudável e a prática constante de exercícios físicos para melhorar a qualidade de vida. A supervisora pedagógica do Ensino Fundamental – Anos Finais, Carolina Darolt, conta que os estudantes tiveram de pesquisar sobre pirâmide alimentar, vitaminas, doenças decorrentes de uma má alimentação, entre outros.

Para Carolina, outro diferencial dos projetos é que incentivam a participação da família. “A pesquisa e a preparação dos trabalhos rompem os muros da escola. Os pais ficam empolgados em contribuir de alguma forma, seja ajudando a comprar produtos, seja na ornamentação dos estandes”, diz.