Alunos do Sigma participam de Olimpíadas de Conhecimento

Estimular o estudo das ciências e identificar jovens talentos são os principais objetivos das Olimpíadas de Conhecimento. Por meio de competições, os alunos têm os seus entendimentos testados em diversas áreas. “As competições promovem o gosto pelo aprendizado de novos conteúdos, fortalecem o desenvolvimento socioemocional e aumentam o grau de instrução dos jovens”, afirma Juliana Gaspar, coordenadora de Química do Colégio Sigma.

Apesar da pandemia do novo coronavírus, que fez com os calendários de diversos torneios fossem modificados, o Sigma já está apresentando bons resultados nas Olimpíadas Científicas. Quase 100 estudantes do Ensino Fundamental – Anos Finais e do Ensino Médio se classificaram para a segunda fase da Olimpíada Nacional de Ciências (ONC), ainda sem data definida para acontecer.

Na Olimpíada Canguru de Matemática os alunos da escola também alcançaram resultados positivos, foram 41 medalhas e 1 menção honrosa. Os estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental – Anos Iniciais até a 3ª série do Ensino Médio conquistaram 15 medalhas de ouro, 20 de prata e 6 de bronze. O torneio possui 6 níveis diferentes de provas objetivas.

Olímpiadas adiadas

Marcada para acontecer em setembro, a 16ª edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas e Privadas (OBMEP) foi adiada novamente. As provas da 1ª etapa iriam ocorrer, de forma presencial, no dia 20 de setembro. Agora o torneio será realizado quando todas as escolas do Brasil retornarem às aulas presenciais. Segundo o professor de Matemática, Marcio Campolino, neste ano, cerca de 230 alunos vão concorrer na primeira fase.

Outra competição que teve sua data adiada foi a Olimpíada Brasileira de Química Júnior (OBQJr). Anteriormente marcado para acontecer, de forma remota, nos dias 14 e 15 de agosto, o torneio teve suas inscrições prorrogadas até o dia 6 de setembro e as provas irão ocorrer nos dias 11 e 12 de setembro.

Apesar da pandemia, os alunos estão animados e engajados para participarem das competições. As olimpíadas de conhecimento já fazem parte da cultura da escola. Em 2019, Lara Monteiro, da unidade de Águas Claras, conquistou a medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Química Júnior (OBQJr). Silvia Monteiro, mãe da jovem, conta que é uma satisfação muito grande ver a filha alcançando grandes resultados. “Ela é muito focada e disciplinada. Desde que começou a estudar no Sigma ela vem se destacando”, aponta. Lara ressalta que estudar os conteúdos cobrados nas competições é muito importante, mas o que ajuda é estar tranquilo na hora da avaliação. “O nervosismo pode atrapalhar na hora da prova, é preciso ficar calmo. Relaxar e confiar nos seus conhecimentos”, finaliza.

Plurall Olímpico

Este ano, os alunos do Ensino Fundamental – Anos Finais irão contar com uma plataforma exclusiva voltada à preparação para as olimpíadas, o Plurall Olímpico. Os estudantes terão acesso a conteúdos desenvolvidos por especialistas, exercícios comentados, vídeo aulas, provas antigas e outros. Segundo Campolino, a ferramenta, além de oferecer autonomia nos estudos, irá capacitá-los para diversos torneios. “O jovem que se interessa por esse tipo de competição, gosta de ser desafiado e está sempre à procura por novos conhecimentos, e o Plurall Olímpico irá proporcionar um trabalho de excelência para eles”, afirma. Já os alunos no Ensino Médio poderão treinar para as olimpíadas por meio de listas de exercícios, apostilas e videoaulas que serão disponibilizados no Plurall.

A professora Juliana conta que o Plurall Olímpico chega para agregar mais conteúdo para os alunos do Ensino Fundamental – Anos Finais, já que o isolamento social provocou mudanças no programa de treinamento olímpico organizado pela escola. “Estruturamos  aulas aos sábados, atendimentos nos plantões de dúvidas, exercícios específicos e outras ações presenciais. Com a pandemia, precisamos fazer a ajustes. Porém, os estudantes estão recebendo todo o nosso suporte, no que diz respeito à inscrição e à preparação, com materiais voltados para os torneios. E com o Plurall terão acesso a questões de Física, Química, Matemática, História e outros. Tudo com a nossa assessoria e com a dos especialistas da ferramenta”, afirma.

Vagas olímpicas

Nos últimos anos, algumas universidades públicas brasileiras começaram a destinar vagas em cursos de graduação para jovens medalhistas em olimpíadas de conhecimento.  “Essa modalidade é uma forma de reconhecer o esforço e a trajetória desses alunos”, comenta Juliana. Geralmente, nessa modalidade de seleção os estudantes não precisam realizar os tradicionais vestibulares, mas é preciso que os interessados fiquem atentos aos editais e particularidades de cada instituição. As universidades no Brasil que oferecem vagas olímpicas são: USP, Unicamp, FGV, Unifei e Unesp.

No exterior, a participação em competições científicas, há muitos anos, já é vista como algo positivo. Boas pontuações e medalhas mostram o talento e a habilidade dos jovens. “Alunos olímpicos têm grandes chances de conseguirem bolsas de estudo fora do país. Esses jovens desenvolvem habilidades muito valorizadas pelas Universidades: autonomia, protagonismo, foco e resiliência”, comenta Campolino.